Francisco Manoel Raposo de Almeida

 
 
Natural da Freguesia de Nossa Senhora da Estrela do Rabo de Peixe, Conselho da Ribeira Grande, Ilha de São Miguel, Açores, a 15 de agosto de 1817. Em 1842 envolveu-se na revolta da “Maria da Fonte”, sendo preso e desterrado para Machico, Ilha da Madeira(1844). Transferiu-se para o Brasil em 1846, onde redatoriou “Nova Gazeta dos Tribunais”, até fins de 1848. Membro do Instituto Histórico Brasileiro. Fixou-se em Santos, SP, com o Jornal “O Mercantil”(1850-1852) em Pindamonhangaba(1853-1856). Em Niterói em 1856 funda “A Semana”, no Rio de Janeiro(1857), onde funda “A Tribuna Católica” e “O Brasil”. Depois no Desterro, SC, a 27 de outubro de 1857, onde exerceu o magistério particular, naturalizou-se brasileiro(22/12/1857), foi professor de Geografia e História e de Filosofia Racional e Moral no Liceu Provincial(1858), editou os jornais “O Cruzeiro”(1860); “A Estrela”(1861) e “O Mercantil(1862). Deputado à Assembléia Legislativa Provincial(1860-1861). Foi para a Bahia onde lecionou no Seminário Arquiepiscopal(1863) e editou “Brasil Católico”(1863) e daí a Pernambuco, onde pesquisou e escreveu a “História Nacional” e editou os jornais “O Mercantil”(1866-1867) e “Oriente”(1867) e foi um dos fundadores do Instituto Histórico e Arqueológico de Goiana, Pernambuco(1870). Volta a São Paulo e funda em Pindamonhangaba o “Externato Raposo”(1873). Deixou grande produção literária. Faleceu em Taubaté, SP, em 17 de março de 1886.

Poemas & Poesias

Voltar