Jair Francisco Hamms

 
 
Nasceu em Florianópolis, em 11 de abril de 1935. Passou a infância e adolescência em três endereços na Rua Bocaiúva. Próximo a uma das casas em que morou, ficava um tradicional barbeiro, seu Acácio, e era lá que sanava um pouco da curiosidade de descobrir o significado das palavras. Nascido em uma família humilde, tanto social quanto financeiramente, Hamms acumulava dúvidas quanto ao que as palavras queriam dizer. “A família não era rica em vocabulário e algumas das pessoas que freqüentavam o barbeiro conseguiam sanar as dúvidas”. Hamms conta que a vida toda foi marcada pelos livros. Em um primeiro momento pela ausência total deles. O primeiro contato com um livro aconteceu quando o irmão começou a ir ao colégio e, pouco depois, a ler histórias em quadrinhos. Foi com o material do irmão que começou a aprender as primeiras palavras. A curiosidade com as palavras foi somente amenizada quando o irmão mais velho levou para casa um dicionário. Na adolescência teve a oportunidade de travar conhecimento com o escritor Aníbal Nunes Pires que lhe emprestava obras de grandes mestres da literatura. Hamms foi o criador do primeiro curso pré-vestibular da cidade, onde lecionava português, gramática e literatura. Foi diretor de Intercâmbio e Extensão Cultural da Universidade Federal de Santa Catarina. Paralelamente, escrevia para o jornal O estado. Uma reunião de crônicas resultou no primeiro livro “Estória da gente e outras histórias”(1971). Depois foram lançados “O vendedor de maravilhas”, “O detetive de Florianópolis”, “A cabra azul” e “Santa Catarina – um caleidoscópio étnico”. (in artigo assinado por Rafaela Giordano, “O homem que ama o sentido das palavras”, Jornal Diário Catarinense, 14 de abril de 2003). Faleceu em 11 de janeiro de 2012.

Poemas & Poesias

Voltar