Abelardo Sousa

 
 
Em breve teremos a biografia...

Poemas & Poesias

+ TEMPERA A FRIEZA DA RAZÃO!

Vem, ó ar!
Acariciar-me a face
Não me deixando sem o cheiro
Das flores que beijaste.

Vem, ó água!
Apagar-me o mal,
Trazendo até mim
A singeleza dos riachos d’hoje
E daqueles da Bíblia
Contendo leite e mel.
Também a imponência
Dos imensos rios
E das paisagens
Que refletem os lagos,
Da humildade
Que alaga os rios
Quando se perdem
No rugir dos mares.

Vem, ó riso das crianças!
E me apazigua a alma.

Venham, ó vidas inconscientes
Das plantas e dos animais!
Indicar-me
O quanto estão em mim.

Venham, ó tempo e espaço!
Dizer-me se sois ou não.

Vem, ó verde de toda terra!
E deixa
Que te dilua em esperança.

Então irei dizer
A tudo que me chega:
Tempera com pitadas de emoção
A imensa frieza da razão
De erros e de culpas saturada.

[in Antologia da ACL, coleção n. 1, 1991, p. 188]

Voltar