Odilio da Cunha Malheiros

 
Jornalista e Bacharel em Direito. Fundou em Lages o jornal “A defesa”, em dezembro de 1931. Foi assassinado em junho de 1932. “Quando passeava com a esposa foi assassinado, a tiros de revólver, o jornalista Odílio da Cunha Malheiros. O autor do crime foi o próprio delegado de polícia local e a causa teria sido algumas censuras que o jornalista fizera, pelas colunas do seu jornal A Defesa à atuação da autoridade”. Odílio foi aluno da Escola Militar, mas tendo tomado parte na revolta de 5 de julho de 1922, por isso foi desligado do Exército. Formou-se em Direito no Rio e advogou em Santa Catarina e logo ficou em desacordo com o governador Adolfo Konder, movendo-lhe campanha de oposição. Depois, sempre se manteve contra o governo estadual, e por ocasião da Revolução de 1930 incorporou-se à Coluna do general Waldomiro Lima, servindo no posto de 1º. Tenente. Vitorioso o movimento outubrista, Odílio Cunha Malheiros volveu à sua banca de advogado, em Lages, onde fundou “A Defesa”. No Rio, durante o curso de Direito trabalhou em várias redações onde sempre se impôs pelo brilho do seu talento. Manteve uma coluna em seu jornal.

Poemas & Poesias

Voltar