Arita Damasceno Pettená

 
 
Formada em Letras Anglo Germânicas pela PUC-Campinas. É professora de Literatura e Língua Portuguesa, poeta, escritora. Nasceu em Florianópolis, SC.

Pertence à Academia Campinense de Letras e à Academia Campineira de Letras e Artes. Integra inúmeras academias e entidades culturais, como o Movimento Poético Nacional, Casa do Poeta de São Paulo, União Brasileira de Escritores, Casa do Poeta de Campinas, Clube dos Escritores de Piracicaba e Associação das Entidades Culturais de Campinas.

É presidente do Clube dos Poetas de Campinas, SP há mais de trinta anos. Mentora do Projeto Cultural "Terça-Feira". É membro do Lions Clube Campos Salles de Campinas. Dedica-se continuamente a atividades filantrópicas, tendo doado a renda de nove livros para entidades beneficentes como: Fundo de Solidariedade da Ação Social da Prefeitura Municipal de Campinas; SOS-Mulher; restauração do Museu do MMDC; compra de terreno para entidades assistenciais; auxílio às APMs das escolas etaduais e municipais.

Quando vereadora pela Câmara Municipal, doava mensalmente um salário mínimo sorteado entre as entidades beneficentes de Campinas. Foi vice-presidente do Clube de Soropositivos. Foi membro da ABAL (Associção Brasileira de Artistas Líricos); 21 Irmãos Amigos; CONDEPACC (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico de Campinas); Conselho do Meio-Ambiente; Conselho Municipal de Cultura, 1a Diretora de Cultura da APESEC (Associação dos Presidentes das Entidades Sociais e Esportivas de Campinas); Assessora Cultural de alguns Secretários de Cultura; Assessora Técnica da Coordenadoria de Ensino do Interior da Secretaria da Educação de São Paulo.

É atualmente, conselheira da AFPESP (Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo), tendo sido durante dois anos Diretora Cultural da mesma.

Foi a 1a mulher taquigrafa da Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina. Recebeu diversos prêmios e homenagens.

Participante de diversos concursos de Poesias, Crônicas e Contos, obteve na maioria deles, significativas premiações - 1o e 2o lugares - especialmente no Ceará, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, além de recentemente 2o lugar em Crônica em Portugal, e finalista, na Itália, com o livro "Confissões de uma mulher de soldado".


Poemas & Poesias

+ Tarde demais

Era frio, muito frio .
Frio na tarde, frio em mim..
Olhos em pranto,
Alma em desencanto,
Parti a caminhar .
E no melancólico crepúsculo,
Ouvi uma voz que dizia :
Esqueça !

ConTinuei a caminhada .
Era noite, muito noite então .
Estrelas perfilavam o firmamento,
Num brilho nostálgico o solitário .
E dentro da noite vazia,
Rosto banhado em luar,
Ouvi outra voz que dizia :
Perdoa !

Prossegui a cavalgada .
E já não havia mágoa
E nem mais ressentimento .
Foi quando então o coração falou :
Volta !
Voltei .
Mas era tarde,
Muito tarde então .
Nunca mais o encontrei!

Arita Damasceno Pettená

Voltar