Antônio José Barradas Barroso - Sócio corresp

 
 
António José Barradas Barroso, nascido em 1934, em Vila Viçosa, Portugal, Oficial do Exército (coronel) reformado, casado, com dois filhos, um Coronel Médico Veterinário do Exército e outro Professor Catedrático, e quatro netos, dois frequentando cursos universitários, e morador na Rua do Lima, 116, em Parede-Portugal.


Membro correspondente de:
Academia Cachoeirense de Letras – Brasil
Academia Rio Grandina de Letras – Brasil
Sócio de:
Grupo dos Poetas Livres – Brasil
Clube da Simpatia – Olhão – Portugal


Colaborador em:
Boletim da Associação dos Pupilos do Exército – Portugal
Revista Ventos do Sul – Brasil
Jornal do Rio Grande do Sul
Boletim dos Confrades da Poesia – Portugal
Revista Eisfluências – Portugal

Prémios desde 2007
- Jogos Florais da Gândara (Cantanhede) 2007
- 2007 3º. Prémio – Poesia Livre
3º. Prémio – Conto
- 2008 2º. Prémio – Conto
- Jogos Florais da Murtosa
- 2007 2º. Prémio – Quadra
2º. Concurso Camoniano de Poesia (Ílhavo)
- 2007 2º. Prémio – Soneto
- 2008 2º. Prémio – Soneto
- 2010 1º. Prémio – Soneto
- XXVII Jogos Florais do Algarve Racal Clube
- 2007 3º. Prémio – Soneto
- Concurso de Trovas para uma Vida Melhor
- 2008 1º. Prémio – Trova
1º. Prémio – Trova
3º. Prémio – Trova
- 2009 1º. Prémio – Trova
- 2010 1º. Prémio – Trova
1º. Prémio – Trova
3º. Prémio – Trova
- 2012 3º. Prémio – Trova
- Jogos Florais do Clube dos Poetas Livres
- 2008 1º. Prémio – Poesia livre
- Concurso de Quadras do Clube da Simpatia
- 2008 1º. Prémio – Quadra
- 2009 2º. Prémio – Quadra
- 2010 3º. Prémio – Quadra
2º. Prémio – Quadra
- 2012 1º. Prémio – Quadra
- Jogos Florais de S. Domingos de Rana
- 2008 3º. Prémio – Soneto
- Concurso Literário Algarve Brasil
- 2008 3º. Prémio – Poesia livre
- 2009 1º. Prémio – Quadra
- Jogos Florais de Avis
- 2009 1º. Prémio – Quadra
- Concurso de Poesia do Alentejo (Terrugem)
- 2009 1º.Prémio – Poesia livre
- Jogos Florais do Concelho de Tondela
- 2009 2º.Prémio – Soneto
- 2010 1º. Prémio – Poesia livre
- 2011 1º. Prémio – Quadra
- 2012 1º. Prémio – Quadra
- Concurso Literário Cleber Onias Guimarães
do Conselho Comunitário de S. Paulo
- 2009 1º. Prémio – Poesia livre
- 2011 2º. Prémio – Poesia livre
- Concurso de Poesia da Academia de S. João da Boa Vista
- 2009 3º. Prémio – Poesia livre
- Jogos Florais das Rendas de ilros de Peniche
- 2009 3º. Prémio – Poesia livre
- 2010 1º. Prémio – Soneto
- Jogos Florais de Castelo de Vide
- 2009 3º. Prémio – Soneto
- Jogos Florais de Outono (Monforte)
- 2009 3º. Prémio – Quadra
- 2010 3º. Prémio – Quadra
3º. Prémio – Adágio Popular
- 2012 2º. Prémio – Adágio Popular
- Jogos Florais de Borba
- 2009 2º. Prémio – Poesia com mote
- Jogos Florais das Tochas Floridas
- 2010 2º. Prémio – Poesia com mote
- Concurso Nacional de Poesia da Academia Ponta
Grossense de Letras e Artes (APLA)
- 2010 1º. Prémio – Poesia moderna
2º. Prémio – Poesia clássica
- Concurso de Poemas Cultura e Revista
- 2010 3º. Prémio – Poesia livre
- Academia de Letras do Estado do Rio de Janeiro
- 2010 1º. Prémio – Poesia livre
- Concurso Literário Castro Alves da
Academia Rio Grandina de Letras
- 2011 2º. Prémio – Poesia livre
- 2012 1º. Prémio – Poesia livre
1º. Prémio – Conto
- Concurso Internacional Gioconda Labeca
- 2011 3º. Prémio – Soneto
- Concurso Literário Internacional Planície Costeira
- 2011 1º. Prémio – Poema internacional
- 2012 2º. Prémio – Poesia livre
- 2012 2º. Prémio – Poema internacional
- Concurso Cecílio Barros Pessoa da Academia
Cabista de Letras, Artes e Ciências
- 2011 3º. Prémio – Poesia livre
- Prémio Aracáuria de Literatura
- 2012 2º. Poesia livre
- Concurso Literário Manuel Maria Barbosa du Bocage
- 2012 Vencedor
- Mais de uma centena de menções honrosas.

Poemas & Poesias

+ A Paz

Tenho pena, realmente,
De não poder concorrer
Ao novo desafio da poesia
Mas sou sócio correspondente
E, como tal,
Nada posso fazer
Para mostrar a alegria
Pelo tema que foi escolhido
Em torno dum ideal
A paz é a base, é o sustento
Dum mundo unido;
A paz não existe de mão beijada.
Sendo tudo, vem do nada,
Do pequeno sentimento
Da fraternidade
Que não escolho momento,
Nem idade;
A paz constrói-se com amor,
Está no verso do poeta,
No cinzel do escultor,
Na mais célebre paleta,
Ou na ponte que o engenheiro
Lança para unir
As margens do mundo inteiro;
A paz sente-se num sorrir,
Numa palavra amiga
Que na busca recompensa,
É cmo o amealhar da formiga
Que, devagar,
Enche a despensa.
Enfim, não poder entrar
Num tema que tanto me apraz,
Não estar presente,
Há que aceitar em paz,
Mas tenho pena, realmente.

ANTONIO JOSÉ BARRABAS BARROSO (Tiago)
Parede, Portugal

+ Doce Visão

Vejo o mar, ao longe, calmo e tão lindo
Como azul de arco-íris na tempestade,
Mar que é tão grande, um oceano infindo
Que leva e traz mensagens de saudade.

Beija as praias que as águas vão cobrindo
De ondas mansas a espumar vaidade,
Deste meu país onde o sol vai sorrindo
Em todas as manhãs de claridade.

As areias coloridas de dourados
Ocultam, de olhares, os namorados
Que ali se refugiam de quem passa,

Por isso, não me canso da cambraia
Das ondas que este mar rola na praia,
Este mar, este mar que nos abraça.
António José Barradas Barroso

+ Vila Viçosa


*V*ila Viçosa, minha mãe natal,

Que tens vestes tecidas pelas fadas,

Nas fímbrias desse vasto laranjal

Que enfeita tantas ruas empedradas.



Se as raparigas fossem roseiral

Em torno do castelo, de mãos dadas,

Seriam princesas num pedestal,

Ou talvez lindas moiras encantadas.



E na sombra de São Bartolomeu,

A tarde, solarenga, adormeceu

À chegada da lua tão vistosa.



Oh! Minha Senhora da Conceição

Que sempre deste tua proteção,

Continua a beijar Vila Viçosa.

Voltar