Geraldo Pereira Lopes geraldo@simplesmentepoetas.com.br

 
 
Nasceu em Laguna, SC. É graduado em Ciências Sociais pela UFSC. Além de participar do GPL, pertence às Academias de Letras de Biguaçu e Desterrense de Letras.
Autor dos livros “Para Se(R) Encontrar” (1998), traduzido para o espanhol e “Para Sempre Se(R)... Soldado do Amor” (1999), ambos de poesias na área de relações humanas.
Em julho de 2001, a convite, lançou suas obras na cidade do Porto, em Portugal (escolhida como Capital da Cultura Européia).

A obra Para se ( r ) encontrar(1998) traz apresentação da doutora Vilca Marlene Merizio que diz que o pensamento de Geraldo “flui num jogo de admiração voltado para a Natureza e para o Homem na sua especificação de SER social, SER intimidade e profusão”. Na sua primeira caminhada no mundo das letras o autor lembra
***Não existe cansaço no caminho a SER percorrido, quando existe amor.
Para sempre se (r )... Soldado do Amor(1999)
O prefácio é de autoria do fundador e ex-presidente da Academia Desterrense de Letras, Octacílio Schüler Sobrinho(falecido em 2006) que diz “se o leitor, ao degustar este livro, com profunda atenção, absorvendo cuidadosamente os seus ensinamentos, praticar sincera e persistentemente os princípios e fórmulas nele expostos, irá experimentar a existência de uma orquestração superior que age com maestria, tudo isso com muita pedagogia, que poderá levá-lo à essência”.

Autodefinição: simplesmente poeta.

Contato: Rua Itapiranga, 23 – Parque São Jorge – Itacorubi – cep 88034-480 – Florianópolis, SC

Poemas & Poesias

+ BARCO DO SER

Há tanta gente no mundo
querendo e procurando
o equilíbrio encontrar
Só que a forma definida
está a se distanciar
Uma vez o SER
não sendo prioridade
é impossível equilibrar
A hora em que acordamos
aí sim vamos avançar
a cada gesto de um SER
outro SER virá

Daí a multiplicação
de atos e atitudes
- tão lindos! -
No início vamos até desconfiar
É da nossa natureza ver para acreditar
Precisamos modificar este pensar
fazendo cada um a sua parte
ao invés de reclamar

Quem quiser
pode a transformação
acompanhar
Se preferir o contrário
não venha nos culpar
de nada vai adiantar
O BARCO DO AMOR
precisa velejar

Há tanta
gente no mundo
querendo embarcar
Se este ainda
não é o seu momento
desculpe precisamos continuar
A vela já foi içada
o vento é bem favorável
o barco já começou a andar

A cada porto seguro
vamos atracar
Num gesto acolhedor
lançaremos nossas mãos.
Segure com muita garra
quem quiser participar

+ NINGUÉM É DE NINGUÉM

Todos nós nascemos para o mundo.
Como posso seguir adiante,
se lá vem você a me sufocar?
Desculpa. Não quero,
nem tenho o direito
de te machucar.

Por favor, respeita o meu caminhar.
Tudo poderia ser diferente...
Que pena! Não percebeste
por mais que te explicasse...
Não força... Deixa tudo
AconteSER naturalmente.

GERALDO, Simplesmente Poeta

+ SER

Perguntei:
Se pareSER se escreve com ‘Cê’
por que escrevo com ‘esse’?

Veio a resposta:
De tanto procurar fazer,
de tanto acreditar em você,
sem que nada, ou muito pouco,
de positivo pudesse
aconteSER,
Precisamos dar o nosso
PareSER
partindo direta e decisivamente
para o objetivo principal:
se SER não é,
deveria SER.

Não te preocupes, meu filho,
em errar a ortografia,
não a estás desrespeitando.
O mais importante
É aSERtar na vida,
Com SERteza

Geraldo Pereira Lopes
Simplesmente Poeta O Poeta do SER!

Voltar