Sinval Santos da Silveira

 
 
Sinval Santos da Silveira
Procurador Federal Aposentado
Aniverssario 01/11
Poeta escritor romantico


 A MULHER QUE ME FAZ SONHAR

Estou retornando de uma longa, e maravilhosa,  jornada
da vida.
Na ida, semeei flores, cheirosas e coloridas,  as minhas 
preferidas.
Com  quem encontrei pelo caminho, falei de amor, ofereci
e pedi perdão, abrindo o meu coração.
Na  bagagem,  somente  compreensão.
Nunca houve espaço  para rancor.
Amei  meu amor predileto, cercando  de afeto, oferecendo
todo o meu carinho.
Algumas foram doces, outras nem tanto.
Foram poucas, eu sei,  mas  a todas respeitei.
De retorno, e com  as forças  exauridas,  sigo o  perfume  
das flores da vida,  as  mesmas que plantei,  quando parti.  
Mostram  a estrada de volta, não permitindo que me perca,
mesmo nas   trevas da noite.
Falei de amor,  das lindas rosas  amarelas, e  das
vermelhas, também.
Escutei o canto dos passarinhos, e apreciei a beleza do
meu  beija-flor branquinho !
Apenas uma conheceu o  gorjear do sabiá  laranjeira que,
para ela, cantava a noite inteira, sob a luz  intensa do luar !
Esta, estendeu pétalas de rosas   para eu passar... e, de  
emoção, me  fez chorar.
Experimentei  sua formosura,  e  me embriaguei  de tanto 
amor !
Enalteci sua alma, reconheci o brilho do seu olhar !
Ficou para me amar, e me  fazer sonhar !

Poemas & Poesias

+ A MULHER QUE ME FAZ SONHAR


Estou retornando de uma longa, e maravilhosa,  jornada
da vida.
Na ida, semeei flores, cheirosas e coloridas,  as minhas 
preferidas.
Com  quem encontrei pelo caminho, falei de amor, ofereci
e pedi perdão, abrindo o meu coração.
Na  bagagem,  somente  compreensão.
Nunca houve espaço  para rancor.
Amei  meu amor predileto, cercando  de afeto, oferecendo
todo o meu carinho.
Algumas foram doces, outras nem tanto.
Foram poucas, eu sei,  mas  a todas respeitei.
De retorno, e com  as forças  exauridas,  sigo o  perfume  
das flores da vida,  as  mesmas que plantei,  quando parti.  
Mostram  a estrada de volta, não permitindo que me perca,
mesmo nas   trevas da noite.
Falei de amor,  das lindas rosas  amarelas, e  das
vermelhas, também.
Escutei o canto dos passarinhos, e apreciei a beleza do
meu  beija-flor branquinho !
Apenas uma conheceu o  gorjear do sabiá  laranjeira que,
para ela, cantava a noite inteira, sob a luz  intensa do luar !
Esta, estendeu pétalas de rosas   para eu passar... e, de  
emoção, me  fez chorar.
Experimentei  sua formosura,  e  me embriaguei  de tanto 
amor !
Enalteci sua alma, reconheci o brilho do seu olhar !
Ficou para me amar, e me  fazer sonhar !

Voltar