João Silveira de Sousa

 
 
Nasceu no Desterro, a quatro de fevereiro de 1824. Diplomou-se em Ciências Sociais e Jurídicas, em São Paulo, em 1849.
Em Santa Catarina, foi Procurador-Fiscal da Fazenda e deputado geral em várias legislaturas. Foi Presidente da Província do Pará, Ceará, Maranhão e Pernambuco, além de Ministro de Estado do Império por duas vezes. Mereceu o título de Conselheiro do Imperador D. Pedro II. E também foi professor da Faculdade de Direito do Recife.
Durante toda a vida foi redator e colaborador de vários periódicos, tendo dirigido alguns deles. Sua produção poética pertence à fase da mocidade. Escreveu o livro de poemas Minhas Canções (1849). Faleceu na cidade de Cabo, Pernambuco, em 1906. É patrono da cadeira nº 18 da Academia Catarinense de Letras.

Poemas & Poesias

+ ILHA DE SANTA CATARINA (fragmentos)

Aqui não vejo a espuma nevada,
Nem sobre a praia magoada
Ouço a vaga murmurar.
Só vejo as ondas dum rio,
Que correm sem murmúrio,
Que morrem sem suspirar.
Lá, via belas gaivotas,
Via os navios e as frotas
Das nações do mundo inteiro;
Via o baixel, a falua,
Ouvia ao clarão da lua
Os cantos do marinheiro.
Oh! minha terra natal,
Berço da infância minha
Nas ondas não tens rival.
És do Atlântico a rainha,
De tudo que o céu derrama,
Que o mundo tem de mais belo,
Tais e tantas maravilhas
São, contudo, menos belas,
Que as tuas formosas filhas.
As tuas filhas singelas
São elas anjos ou fadas,
Ou as huris encantadas
Do elísio céu do profeta!

+ SONETO

Tem nas faces de neve a cor do pejo
E nos langues olhos a do céu pintada,
É nuvem d’oiro a trança desatada
Cobrindo o seio sôfrego desejo.

Em seus lábios de rosa era um só beijo
Demais p’ra ser-me a vida evaporada;
Pois só com um seu sorriso d’enleiada
Quase morta de amor minh’alma vejo.

Não tem anjo do céu como as tem ela,
Tão lindas formas, tanta graça e encanto,
Nem a terra possui virgem mais bela!

Nem lá nem cá também já se amou tanto
Como eu te amei, casta e gentil donzela
Que um anjo foras a não ser meu pranto!

(S. Paulo, 1848 – Minhas Canções)

Voltar